quarta-feira, 1 de abril de 2009

Caminho das pedras para a escolha de uma nova TV

Caminho das pedras para quem procura uma nova TV mas está confuso

“O HDMI é a conexão do futuro para áudio e vídeo, e vai ser usado por todos os equipamentos daqui para a frente” - explica Mauros Queiroz.


Eles estão por toda parte: grandes, pequenos, finos, gordinhos, de plasma, LCD, Slim, Super Slim, High Definition (HDTV), com ou sem conversor de TV digital.
Resultado: comprar um televisor nunca foi tão confuso! E as tentações são várias, pois eles estão cada vez mais lindos.

Afinal, pergunta-se muita gente, o que se deve levar em conta na hora de escolher um novo aparelho de TV? Bom... são tantos fatores a considerar, que vamos dar logo o veredicto.

O primeiro ponto, claro, é o velho "quer pagar quanto?". Cada qual com seu cada qual. Vale muita pesquisa nas lojas e nos sites, a checar condições de pagamento, garantia etc. É o básico, né?

No entanto, antes de fechar a compra, o consumidor deve ter em mente que a melhor TV é aquela com a maior quantidade de entradas HDMI, com tela LCD (mais barata e com tamanhos menores), de preferência Full HD (resolução muito superior de imagem), com conversor de TV digital integrado e no tamanho de tela que se adapta ao ambiente onde ela será instalada.

Complicou mesmo, né? Então vamos aos poucos. Não dá para negar: a maior tentação, hoje, é o tamanho da tela. Mas a primeira coisa que o consumidor precisa avaliar é onde pretende instalar a TV e a que distância ela ficará do querido telespectador. Dependendo do tamanho da tela, uma distância maior terá de ser respeitada - caso contrário, corre-se o risco de a imagem não ficar satisfatória.

Para calcular a distância ideal, pegue-se a altura da tela e multiplique-se por três, ensina Daniel Kawano, analista de produtos da Panasonic. Um exemplo: para uma tela de 42 polegadas (que tem 0,67m de altura), a distância MÍNIMA seria de 2,1m. O tamanho da TV vai depender da disponibilidade do espaço. Esse pode ser o primeiro fator de decisão, porque influi na qualidade de visualização e definição da imagem e no conforto da visão. Quando se aproxima muito da tela, é possível enxergar os pixels muito de perto, dando a impressão de imagem ruim. A uma distância ideal a imagem fica mais homogênea - complementa José de Lima Andrade Mendes Jr., gerente de marketing e produtos da Divisão de Eletrônicos de Consumo da Samsung.

E vamos comprar que tipo de tela? Plasma e LCD (cristal liquido) continuam disputando o coração do consumidor, sendo que o segundo leva vantagem nas vendas. Ainda há muitos dos tradicionais modelos de tubo (CRT) à venda, com preços cada vez mais em conta. Nesta categoria se encontram as telas Slim e Super Slim, que nada mais são do que a última geração do monitor de tubo. Por outro lado, o preço do plasma e do LCD tem caído mês a mês. No topo da cadeia de consumo estão as supertelas de plasma, algumas com mais de 60 polegadas - passando das 100 polegadas (ou 100"). A Panasonic, por exemplo, já vende modelos de 103" aqui no Brasil (ao preço R$ 229 mil) e, em 2010, trará um de 150".

A Samsung é outra das fabricantes das que apostam alto no LCD e no plasma - só que ela também acredita numa sobrevida das telas de CRT.
De acordo com Andrade Mendes Jr., o mercado mundial consome mais LCD do que plasma, numa proporção de 80% para 20%. Mas, em termos de tecnologia, o usuário vai encontrar qualidade tanto em plasma quanto em LCD, apesar das muitas diferenças entre elas.

Também cabe ao consumidor avaliar quais tecnologias julga essenciais para sua TV. Aqui entram as TVs HDTV (High Definition, ou seja, de alta definição). Que vale frisar: não são sinônimos de TV digital, embora produtos HDTV possam "entregar" uma imagem de melhor qualidade. É uma questão importante: O sinal digital e a alta definição das TVs vêm de fontes diferentes. O sinal de TV digital é gerado pelas emissoras, que produzem imagens em alta definição. Para recebê-las, o usuário precisa ter um decodificador ou uma TV com conversor embutido - explica Andrade Mendes Jr.

Já a alta definição (HDTV) é uma tecnologia que vem dentro da TV, e não é originada pela emissora. Os aparelhos HDTV têm mais brilho, melhor contraste e melhor resolução da imagem. Ou seja: você pode ter uma HDTV e não receber sinal digital, mas a imagem continuará em alta definição. A partir daí, cabe ao usuário definir, agora sim, se vai optar por um televisor com conversor de TV digital integrado na placa eletrônica ou comprar um decodificador avulso.

Hoje, a maior parte dos fabricantes oferece modelos com conversor embutido, uma tendência que pode facilitar a vida do consumidor e eliminar uma figura do ambiente. Você pode ter uma TV tela plana ou de tubo e, mesmo assim, receber o sinal de TV digital. Basta instalar o decodificador do sinal digital. Mas nas HDTV o aproveitamento do sinal vai ser melhor, porque elas trabalham com resoluções maiores - ensina José Andrade Mendes Jr., da Samsung.

Quanto ao preço das telas com conversor embutido, o executivo da Samsung garante que está mais acessível, mas existe, sim, um custo adicional. Há modelos de conversores com preços que vão desde R$ 499 (caso do DC2007, da Semp Toshiba) a R$ 1.149 (Bravia DMX DT1, da Sony, feito para TVs LCD). E também existe uma grande linha de modelos específicos para LCD e plasma e para TVs de tubo, com os mais variados preços. É bem verdade que a tendência é o preço cair, mas o mercado está reticente quanto à adoção dos conversores. Assim, pode ser que as TVs com conversor integrado sejam a solução ideal para quem compra um modelo novo.

Para quem vai continuar com a TV antiga, talvez nem valha a pena comprar um conversor, que pode custar metade do preço (ou mais) de uma LCD de 32 polegadas, por exemplo (alguns modelos chegam a custar R$ 1.500 nas lojas de varejo, como o Philips 32PFL5403, que é LCD e HDTV).

Outra dúvida diz respeito aos modelos chamados de Full HD. Para simplificar: eles são aparelhos HDTV (que têm entre 720 e 1080 linhas de resolução) mas foram desenhados para pessoas que usam fontes de altíssimas resoluções - como os reprodutores de Blu-Ray e os consoles de última geração, que exigem a resolução máxima que uma TV de alta definição do mercado alcança. Para Mauros Queiroz, da Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), as TVs Full HD são uma excelente opção de compra e, sim, dá para acreditar que elas têm uma qualidade de resolução infinitamente superior. Faça um teste: pegue uma lente daquelas compradas em camelôs e chegue perto de uma TV dessas. Você vai ver que os pontinhos (pixels) são menores e mais numerosos do que numa TV comum. E a imagem é muito melhor, numa qualidade impressionante - diz.

O professor Mauros lembra ainda que um bom televisor, hoje, é aquele que traz o maior número possível de entradas HDMI (de High-Definition Multimedia Interface), interface de áudio e vídeo, totalmente digital, capaz de transmitir informações pesadas (os chamados streamings de dados não comprimidos, que exigem muito da máquina).

O HDMI poderia ser definido como uma espécie de "USB 2.0 da TV", ou seja, é um conector capaz de "ler" equipamentos de última geração, como consoles de videogames como o PlayStation 3 e o Xbox 360, Blu-Ray players, filmadoras, home theathers, computadores e outras novidades que estiverem chegando por aí. Isso sem falar nos conversores de TV digital, para quem der preferência por decodificadores avulsos.

Aproveite, portanto, para gravar (mais essa) sigla, porque vamos conviver com ela durante muito tempo. “O HDMI é a conexão do futuro para áudio e vídeo, e vai ser usado por todos os equipamentos daqui para a frente” - explica Mauros Queiroz.

O problema é este: a indústria não cansa de criar novas tecnologias. E muitas dessas novidades, por incrível que pareça, acabam sendo apenas transitórias.

Então, para aqueles que já decidiram qual é a TV ideal AGORA, baseando-se em opções como Full HD, HDMI, plasma ou LCD, o futuro pode reservar surpresas que podem confundir ainda mais...

Compilado de:
http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2009/03/30/caminho-das-pedras-para-quem-procura-uma-nova-tv-mas-esta-confuso-755056392.asp

Um comentário:

Artigos Relacionados

Blog Widget by LinkWithin